terça-feira, 22 de junho de 2010

Sentiu falta da minha presença, resolveu bater na porta.
Como se simples desculpas me fizesse esquecer os erros e curar machucados.
As batidas eram fortes, por um tempo resistir, tive medo do que estava por vir.
Mas forças vieram logo em seguida, porque fugir do meu destino, das minhas escolhas?
Levantei e com paciência a porta abrir, você apresentava ar de desespero, mas seu olhar não deixava mentir e dizia-me que você estava calmo.
Quis então conversar e por horas ouvi teus argumentos, suas desculpas!
Da minha boca nada saiu, nem ao menos uma expressão, eu não poderia cometer o mesmo erro que você, joga palavras ao vento, sem pensar a quem elas poderiam machucar. Quando disse então tudo que queria, e o silencio tomou conta daquele momento, eu apenas te abracei e sai do quarto.



Até hoje não sei como entendeu aquele abraço, mas queria dizer está perdoado, apesar de ter falado apenas o que se passava no teu coração e obrigado por bater na minha porta, mesmo que de uma maneira inocente!

4 comentários:

deh ramos disse...

aaah! ficou mais lindo depois de editado *-*

sentirei sua falta, gatita! bjuu..

André S. Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André S. Lima disse...

Que coisa mais doce! Gostei mesmo, vou passar sempre por aqui :)

Cacau disse...

texto belíssimo e que toca a alma