terça-feira, 6 de julho de 2010

Passam por mim, mas suas feições nada me dizem.
Vivem correndo do inevitável passar do tempo.
Peço-lhe apenas um abraço estranho.
Talvez esse renovasse minha alegria de viver.


2 comentários:

deh ramos disse...

e parecem passar rápido demais, não param para dizer "oi" porque estão com pressa. passam. somem.


postei aquele texto que eu te falei ontem, mas ficou longo demais. rs*

beijo!

cacau disse...

um abraço mesmo que estranho é tudo que queremos em alguns momentos