domingo, 29 de agosto de 2010

Entrou na sala, arrastou e sentou-se naquela cadeira de moldura rústica, tirou o pano que cobria aquela velha maquina, esticou-se sobre a mesa para pegar folhas e derramou nelas seus sentimentos, através de palavras..

A esse alguém desconhecido :

..Me sinto tão vazio, e os dias parecem tão iguais, nem ao menos uma folha cai no meu jardim,coragem para me despedir desse mundo ainda não tenho e encontrei aqui uma maneira de me defender desses desafetos.

Um sorriso .

4 comentários:

Dionatan disse...

Me sinto tão vazio e os dias são todos iguais ...

eu me sinto assim. quase sempre. Muito bom, gostei.

E eu estou tentando voltar a postar com mais frequencia, a vida anda meio turbulenta por aqui,até breve.

Menino de asas disse...

o meu sorriso é o meu revolver.

evandro mezadri disse...

Belíssimo texto, muito sensível e com grandes imagens.
Abraço e sucesso!

Tina disse...

Lindo, o seu texto.